Sindicato Nacional da Indústria de
Trefilação e Laminação de Metais Ferrosos

Filiado a FIESP

Quarta-feira, 20 de Setembro de 2017






Associe-se!
Clique aqui e conheça as vantagens

Siderúrgicas chinesas listadas preveem prejuízos no 3º tri com sobreoferta

As companhias siderúrgicas chinesas listadas em bolsa, como a Angang Steel e a Beijing Shougang, devem registrar prejuízos no terceiro trimestre devido à sobreoferta exacerbada pela desaceleração econômica do país.

Angang Steel, Beijing Shougang e Hunan Valin Steel esperam prejuízos líquidos de 300 milhões de iuans (47,3 milhões de dólares) a 1,2 bilhão de iuans para o período entre julho e setembro, disseram as companhias nesta quarta-feira. As três tiveram lucro líquido trimestral um ano atrás.

“No terceiro trimestre, a economia global estava lenta, enquanto o crescimento econômico afrouxou e encarou mais pressões negativas”, disse a Hunan Valin em comunicado à bolsa de valores de Shenzhen.

Esta semana a Shanxi Taigang Stainless Steel disse que espera um prejuízo líquido de 763,9 a 863,9 milhões de iuans, contra o lucro líquido de 167,2 milhões no ano anterior.

Enquanto os setores relacionados à infraestrutura e imóveis desaceleraram, os principais produtores de aço da China têm olhado para os mercados estrangeiros. Em setembro, o país exportou um recorde de 11,25 milhões de toneladas de aço, crescimento de 15,6 por cento em comparação com o mês passado e 8,5 por cento acima do mesmo período no ano anterior.

Fonte: Reuters

continue lendo:

Criatividade chinesa: o país importa mais minério de ferro e exporta aço excedente

A Standard & Poor’s rebaixou a nota de crédito da Usiminas de “BB-” para “B+”, refletindo o enfraquecimento das condições do mercado no Brasil e o aumento da competição nos mercados globais, que resultaram em preços mais baixos de aço e menores margens para a companhia.

A perspectiva dos ratings continua negativa. Segundo a S&P, esse enfraquecimento da demanda e do real devem pressionar as métricas de crédito da Usiminas nos próximos trimestres.

O câmbio desvalorizado vai aumentar a dívida da Usiminas, que continuará muito alavancada nos próximos trimestres, segundo as projeções da S&P.

A liquidez e o fluxo de caixa serão pressionados ainda pelas incertezas sobre a recuperação da produção da empresa e sobre possíveis quebras de claúsulas restritivas de dívida.

Apesar dos esforços implementados pela Usiminas para aumentar as exportações de aço, que representam cerca de 30% das receitas da companhia, a geração de caixa continuará reduzida, refletindo a demanda menor por aço no Brasil.

Além disso, os preços baixos de minério de ferro forçaram a Usiminas a reduzir sua produção. “A expectativa é que as condições de mercado continuem desafiadoras e que as incertezas permaneçam elevadas para os próximos trimestres, o que deve continuar limitando a capacidade da companhia de gerar caixa”, disse a S&P.

Fonte: Geólogo

continue lendo:

Incêndio atinge siderúrgica em Itabirito, na Região Central de Minas

Segundo os bombeiros, fogo atingiu carvão no local. Corporação informou que não havia feridos na empresa.

Um incêndio atinge nesta quarta-feira (14) uma siderúrgica em Itabirito, na Região Central de Minas Gerais. De acordo com o Corpo de Bombeiros, aproximadamente de 6 mil metros cúbicos de carvão foram atingidos no local.

Ainda segundo os militares, o fogo começou no fim da noite desta terça-feira (13). Nesta tarde, a corporação informou que cerca de 30 bombeiros e 22 brigadistas da empresa trabalhavam no combate às chamas.

De acordo com o superintendente da siderúrgica, Mateus Oliveira Menezes, o incêndio atingiu o depósito de carvão da fábrica. Segundo ele, nenhum funcionário estava no local e ninguém se feriu com as chamas.

No início da tarde, ele informou que o fogo estava praticamente extinto e que não havia risco de nova propagação do fogo. Menezes afirmou que ainda é cedo para calcular o prejuízo, mas disse que a operação da fábrica não foi afetada.

Fonte: G1

continue lendo:

Produtor de ferro-gusa de níquel na Indonésia deve triplicar capacidade até maio
Fergus Jensen e Melanie Burton

Uma unidade da produtora de aço chinesa Tsingshan Group deve triplicar sua capacidade de produção de ferro-gusa de níquel na Indonésia até maio, disse um executivo, conforme a nação ao sudeste da Ásia tenta extrair mais lucros de sua riqueza mineral.

Usinas de aço inoxidável chinesas muitas vezes alimentam os fornos com ferro-gusa de níquel para fortalecer seu produto, como uma alternativa mais barata frente ao níquel refinado.

Isso significa que uma maior produção de ferro-gusa de níquel poderia ajudar a esfriar os ânimos dos que tinham esperanças de uma retomada dos preços internacionais do níquel ante mínimas de seis anos.

“Em maio do próximo ano, vamos ter uma capacidade instalada de 900 mil toneladas de ferro-gusa de níquel”, disse o CEO do Tsingshan Bintangdelapan Group, Alexander Barus.

A expansão da unidade da empresa na ilha de Sulawesi vai tornar a companhia a maior produtora do país. A fábrica tem operado a entre 60 e 70 por cento de sua atual capacidade de 300 mil toneladas, disse Barus.

O executivo disse que a expansão do projeto não teve o cronograma alterado devido aos baixos preços do níquel, que nesta semana ficaram próximos de 10.400 dólares por tonelada. Ele espera que o preço volte a um patamar de 12.000 a 13.000 dólares nos próximos seis meses, com uma melhora da economia global.

“Estamos produzindo sob perdas agora, mas esse é um meio de entrar em uma área em que no futuro seremos competitivos”, ele disse. “Por enquanto, estamos dentro de nossa programação”.

Fonte: Reuters

Redação On outubro - 14 - 2015
  • Central de atendimento
  • Telefone: (11) 3285-3522 / e-mail: sicetel@sicetel.com.br
Associe-se!
        Clique aqui
Cadastre seu e-mail e receba periodicamente notícias do SICETEL.