Sindicato Nacional da Indústria de
Trefilação e Laminação de Metais Ferrosos

Filiado a FIESP

Sexta-feira, 19 de Julho de 2019






Associe-se!
Clique aqui e conheça as vantagens

Nippon Steel denuncia Ternium à CVM por “manobra” com ações da Usiminas 

O grupo japonês Nippon Steel & Sumitomo Metal anunciou ontem, segunda-feira, que denunciou à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) o grupo latino-americano Ternium de tentar criar um grupo de acionistas minoritários leal a seus interesses uma importante votação no começo de abril.

Alberto Alerigi Jr.

Segundo a Nippon, a transferência de ações da Usiminas que pertenciam ao fundo de pensão dos funcionários do Banco do Brasil, Previ, para terceiros burla obrigação para que a Ternium vote na mesma direção das ações vinculadas ao bloco de controle da Usiminas. A denúncia tem como objetivo pedir providências à CVM para avaliar a estratégia da Ternium.

A Ternium transferiu 25 milhões de ações ordinárias da Usiminas à custódia da BM&FBovespa, tornando-as disponíveis para aluguel ou venda antes da assembleia que definirá quem assumirá a gestão da empresa, marcada para 6 de abril.

Representantes da Ternium no Brasil não puderam comentar o assunto de imediato. Mas o comunicado da Usiminas de sexta-feira afirma que até então nenhum acordo de venda ou empréstimo de ações da siderúrgica detidas pela Ternium tinha sido acertado.

Segundo a Nippon, a “manobra” da Ternium retira dos acionistas minoritários “a possibilidade de nomear membros para o Conselho de Administração”.

A votação do dia 6 foi convocada por acionistas minoritários da Usiminas, incluindo o fundo L.Par, do empresário brasileiro Lirio Parisotto, e a Tempo Capital, para escolha do presidente e outros membros do Conselho da siderúrgica.

Entre os principais minoritários da Usiminas está a CSN, com cerca de 14,1 por cento das ações ordinárias e 20,69 por cento das preferenciais. A CSN defende que o conflito entre Ternium e Nippon reflete a quebra do acordo de acionistas da Usiminas e que a Ternium tem que fazer uma oferta pública de aquisição de ações (OPA) aos minoritários ordinaristas da produtora de aços planos.

Na semana passada, o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) rejeitou pedido da CSN para ter representante no Conselho da Usiminas.

Fonte: Reuters

 

 

continue lendo:

 

MMX tem prejuízo de R$ 176 milhões no 4º trimestre de 2014

Beth Moreira

A MMX Mineração e Metálicos S.A. encerrou o quarto trimestre de 2014 com prejuízo de R$ 176,175 milhões, ante prejuízo de R$ 354,586 milhões registrado no mesmo período de 2013. O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, amortização e depreciação) ficou negativo em R$ 190,479 milhões entre outubro e dezembro do ano passado, ante Ebitda também negativo de R$ 127,410 milhões registrado um ano antes.

A empresa também divulgou o Ebitda Ajustado, que ficou negativo em R$ 226,132 milhões no quarto trimestre de 2014, ante Ebitda ajustado negativo de R$ 131,371 milhões registrado no mesmo intervalo de 2013. A receita líquida somou R$ 1 mil entre outubro e dezembro do ano passado, ante receita de R$ 180,7 milhões apurada um ano antes. O resultado financeiro líquido da MMX no quarto trimestre foi positivo em R$ 14,5 milhões, ante resultado financeiro negativo de R$ 239,596 milhões registrado no mesmo trimestre de 2013.

No ano de 2014, a empresa registrou prejuízo consolidado de R$ 2,223 bilhões, montante 7,50% maior que o prejuízo de R$ 2,068 bilhões apresentado em 2013. (Estadão Conteúdo)

Fonte: Yahoo Notícias

 

 

continue lendo:

 

Trafigura mantém planos, apesar de cenário negativo

Mesmo com a piora no cenário de negócios do setor de mineração, a trading holandesa Trafigura garante que segue inalterado seu projeto no Brasil, o Porto Sudeste, controlado numa joint venture com o Mubadala, fundo de investimentos do governo de Abu Dhabi. Para Simon Collins, chefe de metais e minerais da trading, apesar  da queda “dramática” e “inesperada” nos preços do minério de ferro, a produção segue competitiva no País. Localizado em Itaguaí (RJ), o Porto do Sudeste foi comprado da MMX, mineradora de Eike Batista que está em recuperação judicial. 

Após sucessivos atrasos, desde antes da venda do controle para Trafigura e Mubadala, o empreendimento ficou pronto no mês  passado, mas ainda não tem todas as autorizações para operar. Quando assumiram o empreendimento, no início do ano passado, os novos controladores esperavam iniciar as operações em agosto de 2014. Segundo Collins, o Porto Sudeste é um projeto de
longo prazo, que se mostrará competitivo quando comparado com o custo  de capital de outros grandes projetos.

Fonte: O Estado de São Paulo

 

 

continue lendo:

 

 

Metais básicos operam em alta com sinais de relaxamento monetário na China

Marcelo Villela

Os contratos futuros de metais básicos operam majoritariamente em alta após sinais de que a China deve aumentar o relaxamento monetário, com o objetivo de ajudar o crescimento econômico no país. O presidente do Banco do Povo da China (PBoC, na sigla em inglês), Zhou Xiaochuan, afirmou no fim de semana que a China tem “espaço” para mais um relaxamento de sua política monetária, caso a inflação continue a cair e o quadro de desaceleração da economia chinesa piore. Ele afirmou que o governo do país irá acompanhar de perto sinais de deflação, em meio à queda dos preços internacionais de commodities.

 De acordo com o Morgan Stanley, a perspectiva para o preço do cobre neste ano depende de uma possível melhora sazonal na atividade industrial da China e suporte de expansão de crédito para o setor. ”Na ausência desses eventos, espera-se um declínio no preço do cobre, principalmente no segundo semestre”, disse o banco. Nos negócios da manhã na Europa, o cobre para três meses avançava 0,2% na London Metal Exchange (LME), para US$ 6.111 por tonelada. Na Comex, a divisão de metais da bolsa mercantil de Nova York (Nymex), o cobre para maio tinha alta de 0,42%, a US$ 2,7790 por libra-peso, às 7h51 (de Brasília).

Entre outros metais na LME, o alumínio para três meses subia 0,5%, a US$ 1.791,50 por tonelada, enquanto o zinco operava em alta de 0,3%, a US$ 2.091,60 por tonelada, o chumbo crescia 0,2%, a US$ 1.826,00 por tonelada, o níquel tinha baixa de 1,3%, a US$ 13.175 por tonelada, e o estanho mostrava desvalorização de 1%, a US$ 17.175,00 por tonelada. (Dow Jones Newswires)

 Fonte: Infomet

Redação On março - 31 - 2015
  • Central de atendimento
  • Telefone: (11) 3285-3522 / e-mail: sicetel@sicetel.com.br
Associe-se!
        Clique aqui
Cadastre seu e-mail e receba periodicamente notícias do SICETEL.