Sindicato Nacional da Indústria de
Trefilação e Laminação de Metais Ferrosos

Filiado a FIESP

Domingo, 19 de Agosto de 2018






Associe-se!
Clique aqui e conheça as vantagens

Depois de 1 mil dias parado, a Usiminas retomou ontem a operação do alto-forno 1 da usina siderúrgica de Ipatinga, no Vale do Aço. A empresa vai aumentar em 20% a produção do ferro-gusa, matéria-prima da fabricação de aço, chegando ao volume de 4 milhões de toneladas ao ano. A reativação do equipamento, que também foi reformado, aponta para nova fase da maior empresa do setor, que enfrentou intensa crise relacionada a turbulências nos mercados interno e externo, além do conflito judicial entre seus acionistas controladores – sanado com acordo de paz firmado entre a Nippon Steel, do Japão, e a italiana Ternium/Techint.

“Colocamos de volta a operação do alto-forno 1 num Brasil que caminha para a recuperação. A usina de Ipatinga funcionará a plena carga”, afirmou o presidente da Usiminas, Sergio Leite, que faz questão de ainda comemorar o fechamento de 2017, quando a companhia teve o maior lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebtida) nos últimos sete anos.

O tom dos discursos na cerimônia de retomada do alto-forno enfatizaram o clima de paz na empresa. A Usiminas investiu R$ 80 milhões na reforma do equipamento, que durou 11 meses e empregou 600 pessoas. Para a operação, a companhia abriu 120 vagas permanentes. A reativação vai aumentar em 2 mil toneladas a produção diária de ferro-gusa, que atualmente fica em torno de 9 mil toneladas ao dia.

Embora a reativação traga expectativas positivas, a Usiminas ainda vai buscar mercado para absorver essa produção. “Temos a confiança no crescimento da economia em torno de 2,5% a 3%”, reforça Sergio Leite. Por hora, a intenção é que essa produção adicional evite a necessidade de comprar aço para a outra usina do grupo, de Cubatão (SP).

Quando desligou o equipamento, em 2015, a empresa estava abalada pela queda no consumo de aços planos, mercado do qual é líder brasileira, depois da Copa do Mundo e com o começo da crise na economia brasileira. Apesar da melhora recente dos indicadores econômicos do Brasil, o presidente da siderúrgica reforça que o consumo de aços planos ainda é menor em relação aos tempos áureos do setor.

Outra incerteza diz respeito ao mercado internacional, depois do anúncio da sobretaxação de 25% das vendas de aço aos Estados Unidos (EUA) pelo presidente Donald Trump. O setor tenta negociação para reverter esse quadro. Especificamente em relação à Usiminas, não há impacto direto, de acordo com a empresa, já que os negócios com o mercado norte-americano representam somente 1% do total das exportações.

“Poderemos vir a ser impactados porque há um desequilíbrio no mercado de aço a partir dessa medida, com maior pressão por importação”, afirma Leite. Um total de 85% da produção da siderúrgica é absorvido pelo mercado interno, e o restante é destinado a clientes no exterior. A empresa estuda aumentar o preço do aço, sem perder o volume de produção.

Fonte: Estado de Minas / Infomet

Redação On abril - 19 - 2018
  • Central de atendimento
  • Telefone: (11) 3285-3522 / e-mail: sicetel@sicetel.com.br
Associe-se!
        Clique aqui
Cadastre seu e-mail e receba periodicamente notícias do SICETEL.