Sindicato Nacional da Indústria de
Trefilação e Laminação de Metais Ferrosos

Filiado a FIESP

Domingo, 23 de Setembro de 2018






Associe-se!
Clique aqui e conheça as vantagens

O ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, vai se reunir nesta quinta (12) com o secretário de Comércio dos EUA, Wilbur Ross (foto), para tratar das tarifas que os EUA ameaçam impor sobre o aço e o alumínio brasileiros.

O encontro, às margens da Cúpula das Américas, em Lima (Peru), terá a participação do secretário de comércio exterior, Abrão Árabe Neto, e do secretário de Estado dos EUA em exercício, John Sullivan.

O governo brasileiro negocia com Washington para tornar permanente a isenção da sobretaxa de 25% sobre o aço e de 10% sobre o alumínio. Os EUA são os maiores compradores de aço brasileiro, e as tarifas podem gerar perda anual de US$ 1,1 bilhão.

Ross administra os pedidos de empresas americanas compradoras de aço e alumínio para excluir determinados produtos das tarifas, que se avolumam e superam 700.

Do outro lado, o Escritório do Representante de Comércio dos EUA,o USTr, determinará quais países terão as tarifas suspensas. É preciso que a empresa americana solicitante prove que o produto a ser excluído da lista não pode ser substituído nos EUA.

O governo brasileiro tenta também limitar a contrapartida para se livrar das tarifas.

O Brasil argumenta que as sobretaxas sobre seu aço vão prejudicar diretamente as siderúrgicas americanas, afirma Pablo Bentes, diretor-executivo do escritório Steptoe and Johnson (EUA), que assessora o instituto Aço Brasil.

Elas compram mais de 80% do produto sob a forma semiacabada para transformar em peças e vender a fabricantes de eletrodomésticos, automóveis e outros.

Além disso, o Brasil importa US$ 1 bilhão em carvão dos EUA. “Há o reconhecimento de que o caso do Brasil é muito particular, por causa desses aspectos”, diz Bentes.

BILATERAIS

Nunes também irá se reunir com os chanceleres da Bolívia, do Equador e do Chile.

Já o presidente Michel Temer tem um encontro bilateral com o presidente de Honduras, Juan Orlando Hernández, para agradecer a cessão do lugar na fila pela vaga rotativa no Conselho de Segurança da ONU, que o Brasil voltará a ocupar em 2022, 11 anos antes do previsto.

Temer também pode se encontrar com Sebastián Piñera, presidente do Chile, que virá ao Brasil em breve.

Não estão previstos encontros com o americano Donald Trump nem com o argentino Mauricio Macri.

Fonte: Folha de São Paulo

Redação On abril - 10 - 2018
  • Central de atendimento
  • Telefone: (11) 3285-3522 / e-mail: sicetel@sicetel.com.br
Associe-se!
        Clique aqui
Cadastre seu e-mail e receba periodicamente notícias do SICETEL.