Sindicato Nacional da Indústria de
Trefilação e Laminação de Metais Ferrosos

Filiado a FIESP

Segunda-feira, 24 de Setembro de 2018






Associe-se!
Clique aqui e conheça as vantagens

General Motors abre terceiro turno em Gravataí/RS

A decisão da GM em ampliar a produção no Complexo Industrial Automotivo de Gravataí (CIAG) visa atender à crescente demanda pelos modelos Onix e Prisma

A GM Mercosul iniciou as atividades do terceiro turno de produção na unidade de Gravataí (RS) nesta segunda-feira, dia 11 de dezembro, mobilizando cerca de 700 trabalhadores diretos e 800 indiretos em todo o complexo.

A decisão da GM em ampliar a produção no Complexo Industrial Automotivo de Gravataí (CIAG) visa atender à crescente demanda pelos modelos Onix e Prisma fabricados no Complexo e exportados para a América do Sul.

Recentemente a GM Mercosul anunciou um investimento de R$ 1,4 bilhão para o Complexo, com o objetivo de fortalecer o negócio da GM através do desenvolvimento de novas tecnologias e introdução de conceitos inovadores de manufatura para a produção de novos veículos, em adição aos já produzidos na fábrica.

Os investimentos anunciados, aliados à implantação do terceiro turno, vão fortalecer ainda mais a presença da GM no Rio Grande do Sul.

“O complexo de Gravataí é a principal e a mais moderna planta da GM na América do Sul, respondendo por cerca de 50% das vendas e 60% da produção. O Chevrolet Onix há 26 meses é o carro preferido dos brasileiros e o Prisma é o mais vendido entre os sedans. Estamos promovendo a abertura do terceiro turno para consolidar e ampliar ainda mais a liderança da GM no Brasil e na América do Sul“, destaca Marcos Munhoz, vice-presidente da GM Mercosul.

A fábrica de Gravataí iniciou suas operações em julho de 2000, inicialmente com a produção do modelo Celta. Atualmente, produz o Chevrolet Onix, líder de vendas no Brasil e América do Sul, e o Prisma, o sedã mais vendido do país.

 

 

CSN abre 100 vagas para Programa Capacitar

A Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) está com inscrições abertas para o Programa Capacitar PCD 2017. Para participar da seleção é necessário ter no mínimo 18 anos e ser PCD. As inscrições podem ser feitas, até o dia 29 de dezembro, na Escola Técnica Pandiá Calógeras (ETPC). As vagas são limitadas. O programa tem como objetivo promover a formação e qualificação de pessoas com deficiência, por meio de cursos profissionalizantes, oferecidos gratuitamente.

No total, serão disponibilizadas 100 vagas para cursos de Operador Siderúrgico e Auxiliar Administrativo com ênfase em vendas e logística. Ao longo de todo o curso, os participantes serão capacitados para aturar nas áreas administrativa e operacional da empresa e receberão uma bolsa-auxílio no valor de R$300.

O processo seletivo é composto por provas de português e matemática. Os aprovados, após o término do programa, que tem duração de seis meses, poderão ser efetivados pela Companhia. Para este processo, a Escola Técnica Pandiá Calógeras (ETPC) e a CSN limitam ao número máximo de 500 inscrições, sendo distribuídas 250 para cada curso.

Para mais informações, confira o edital, no site da CSN ou ligue para (24) 3340-5422.

Fonte: Diário do Vale / Infomet

 

 

Osasco: Indústria gera empregos pelo 3º mês

Foram 150 vagas em novembro, mas saldo do ano é negativo

As indústrias instaladas em Osasco e cidades vizinhas fecharam o mês de novembro com saldo positivo de 150 vagas de emprego geradas. Esse foi o terceiro mês seguido em que houve geração de postos de trabalho no setor. E o quarto ao longo do ano.

Em 2017, também foram 350 vagas geradas em outubro e 300 em setembro. Antes disso, desde fevereiro, a região só acumulava resultados negativos. Apesar da boa sequência, o saldo acumulado em 11 meses ainda está negativo. Desde janeiro, o setor acumula 2250 cortes. Já no balanço do últimos 12 meses, são 3100 vagas fechadas. Os dados são de pesquisa do Ciesp (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo), cujos dados de novembro foram divulgados nesta terça-feira.

De acordo com o levantamento, o desempenho do mês passada foi influenciado pelas variações positivas dos setores de Produtos Farmoquímicos e Farmacêuticos (alta de 2,19%); Produtos deMetal, exceto Máquinas e Equipamentos (0,94%); Impressão e Reprodução de Gravações(0,76%) e Celulose, Papel e Produtos de Papel (0,86%).

O resultado regional difere do registro de todo o Estado, onde houve queda, em novembro, de 0,49% no nível de emprego. A média da região Metropolitana também foi negativa, em 0,04%. Entre as regiões com resultado positivo, as que mais se destacaram foram Matão (2,22%); São João da Boa Vista (1,10%); Santo André (0,87%); Mogi das Cruzes (0,36%) e Campinas (0,31%). Já as que tiveram maiores resultados negativos foram Presidente Prudente (-3,87%); Franca  (-2,71%);  Sertãozinho  (-2,06%);  Americana  (-1,83%) e Araçatuba (-1,74%).

 

 

Corumbá terá cursos superiores em Metalurgia

Com início em 2018, os candidatos poderão participar da seleção via Sisu

O campus do Instituto Federal de Mato Grosso do Sul (IFMS), localizado no município de Corumbá, oferecerá em 2018 dois novos cursos superiores: Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas e Processos Metalúrgicos, totalizando 80 vagas que serão oferecidas via Sisu.

A escolha da cidade para implantar o curso tem objetivo de atender a demanda de mão de obra, visto que a extração mineral é uma das principais atividades econômicas da região. Com duração de quatro horas, as aulas acontecerão no período noturno e os tecnólogos formados poderão atuar em três grandes áreas da metalurgia: extrativa, física e de transformação.

Com a primeira turma aberta em 2015, o curso tem entre seus alunos militares que atuam na Marinha em Ladário, município vizinho à Corumbá; trabalhadores da Vale do Rio Doce, multinacional instalada na região, em busca de formação superior; e estudantes que fizeram cursos técnicos de nível médio no próprio IFMS.

“Na chamada verticalização do ensino, temos estudantes que vieram do curso técnico integrado em Metalurgia e outros que fizeram qualificação profissional na área. O interessante é que eles chegam ao ensino superior já conhecendo as grandes áreas da metalurgia, sabendo intervir, enfim, com um propósito muito bem definido”, destacou a coordenadora, Samara Melo Valcacer.

A outra opção oferecida pelo IFMS em Corumbá é o curso superior de tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Com duração de três anos e aulas no período noturno, a graduação – que teve a primeira turma aberta em 2015 – recebeu conceito 4 do Ministério da Educação (MEC), em uma escala que vai de 1 a 5.

Segundo o coordenador da qualificação, Rodrigo Assad Pereira, Corumbá tem uma grande demanda por profissionais formados na área. “São poucos formados em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, e quase não temos empresas do setor nessa região do Estado que poderiam estar atendendo a segmentos como comércio e a própria mineração”.

GRADUAÇÃO NO IFMS

Em 2018, serão abertas mil vagas para cursos de graduação em nove opções de cursos superiores de tecnologia, cinco de bacharelado e duas licenciaturas. O edital do IFMS com a oferta de vagas na graduação e as regras do processo seletivo deverá ser publicado na segunda quinzena deste mês, na Central de Seleção.

Para concorrer às vagas, o candidato que prestou o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2017 deverá se inscrever no Sistema de Seleção Unificada (Sisu).  As inscrições deverão ser feitas entre 29 de janeiro e 1º de fevereiro, na página do Sisu. Saiba mais sobre os cursos de graduação do IFMS neste link.

Fonte: Correio do Estado

 

Após um mês no azul, indústria da região volta a dispensar

Saldo de empregos encerrou novembro com 100 cortes; porém, demissões desaceleram ante 2016

Mesmo após a indústria da região dar sinais de retomada com a geração de 50 empregos em outubro, novembro fechou no vermelho, com saldo negativo de 100 postos, ou seja, o número de demissões foi superior ao de contratações. Segundo dados do Ciesp (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo), agosto e setembro encerraram com resultados negativos, com a extinção de 1.050 e 250 vagas, respectivamente.

A oscilação entre os meses é justificada pela recuperação econômica lenta e instável, conforme avalia Ricardo Balistiero, economista e coordenador do curso de Administração do Instituto Mauá de Tecnologia. “Os empregos que estão sendo gerados não são de qualidade, são informais. Levará um tempo até a retomada da economia refletir na indústria.”

Balistiero observa que a recuperação deverá ser sentida com mais densidade a partir do segundo semestre de 2018, quando os rumos da eleição presidencial estarão traçados. “Nessa época, os candidatos já estarão definidos, e as pesquisas já indicarão possíveis eleitos”, explica. Em contrapartida, o economista destaca que caso o eleito tenha ideias que vão contra as reformas trabalhista e da Previdência, por exemplo, o fim da recessão estará mais distante.

Embora o resultado não seja positivo, a quantidade de demissões desacelerou em relação a igual período do ano passado, quando o saldo era de 120 trabalhadores a menos.

No mês passado, São Bernardo foi o município com o pior resultado do Grande ABC, ao registrar a perda de 500 postos de trabalho, seguido por São Caetano, que eliminou 50 empregos.

Por outro lado, a diretoria do Ciesp de Santo André, que abrange Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra, contou com criação de 400 trabalhadores no período, sendo o terceiro melhor resultado do Estado. “Por mais que haja geração de empregos, trata-se de um fenômeno pontual”, afirma Balistiero.

O aumento nessas cidades foi impulsionado pela indústria de produtos alimentícios, que cresceu 15,94% no período, explicado pelo aquecimento do setor nesta época do ano. “Há uma sazonalidade por conta do Natal, e a possibilidade de contratos de trabalho intermitente pode ter colaborado nas contratações”, diz o economista.

Fonte: DGABC

 

 

Redação On dezembro - 13 - 2017
  • Central de atendimento
  • Telefone: (11) 3285-3522 / e-mail: sicetel@sicetel.com.br
Associe-se!
        Clique aqui
Cadastre seu e-mail e receba periodicamente notícias do SICETEL.