Sindicato Nacional da Indústria de
Trefilação e Laminação de Metais Ferrosos

Filiado a FIESP

Tera-feira, 21 de Novembro de 2017






Associe-se!
Clique aqui e conheça as vantagens

Recuperação do emprego formal deverá ser lenta, afirmam economistas

O ano de 2016 foi pior que 2015 para o mercado de trabalho. Embora a destruição de empregos formais tenha sido menos intensa, quem foi atrás de uma vaga encontrou um mercado de pior qualidade.

Estudo com dados reunidos até setembro pelos pesquisadores do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) José Ronaldo de Castro Souza Jr. e Sandro Carvalho mostra que o caminho de reinserção encontrado pela maior parte dos desempregados ocorreu pela informalidade.

Até o fim de 2014, a maioria dos desempregados que conseguiam ocupação encontrava um trabalho com carteira assinada. Em 2015, a balança se inverteu e, em 2016, a informalidade ganhou prevalência na transição.

Dados do IBGE mostram que o emprego sem registro em carteira teve trajetória ascendente de fevereiro a novembro, ao passo que a ocupação total (incluindo formais, domésticos e por conta própria) recuou. Mesmo em ascensão, porém, o trabalho informal paga hoje 3,3% menos do que há um ano.

Os economistas afirmam que o ajuste para baixo nos salários foi mais intenso em 2015 e estancou em 2016. E isso pode ser um dos motivos para a escalada da taxa de desemprego nos últimos meses.

“Imaginávamos uma desaceleração maior nos rendimentos, que acabou não acontecendo”, diz a analista do Bradesco Ariana Zerbinatti.

A expectativa se baseava na constatação de que a atividade encolheu adicionalmente em 2016, após a retração de 2015. Mas o rendimento do trabalho parou de cair na segunda metade do ano.

“O dado positivo [o estancamento da queda] teve como subproduto negativo o desemprego. O empregador fica sem alternativa além da demissão”, afirma o economista Bruno Ottoni, da FGV.

GENTE NOVA

Formada em serviço social, Dayana Costa, 35, trabalha há dois meses como garçonete, sem carteira, e diz que as ofertas que aparecem pagam pouco e exigem jornadas longas, de até 10 horas por dia: “Eles querem gente nova, com 17, 18 anos, que topa receber salário mais baixo. No meu último trabalho, a mais velha era eu”.

Em 2016, o mercado gerou mais empregos para essa faixa etária, mas as vagas são insuficientes, diz Hélio Zylberztajn, da USP. A taxa de desemprego dos jovens é mais alta (28%) do que para quem tem de 25 a 59 anos (9,5%).

Zerbinatti e Ottoni preveem que o emprego se recuperará no segundo semestre. Para Ottoni, porém, os empregos voltarão primeiro na forma de vagas temporárias e informais, e só depois com registro em carteira. “O custo de se contratar um trabalhador formal é alto”, diz. “As empresas vão esperar até ter certeza da melhora antes de voltar a contratar assim.”

Fonte: Folha SP

País perde 1,3 milhão de emprego

O ano de 2016 encerrou com queda no ritmo da perda de empregos formais no País, conforme o Ministério do Trabalho. Nos últimos 12 meses, foram fechadas 1.321.994 vagas, 14% a menos do que no mesmo período de 2015.

Apesar dos números do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) ainda serem negativos, a comparação já mostra uma diminuição significativa no fechamento de vagas.

A crise começou a perder fôlego em abril de 2016, quando o País registrava o pico de 1.825.609 vagas fechadas em um período de 12 meses. Mas esse número começou a cair mês a mês. No final do ano, a perda em 12 meses já estava menor em 503.615 postos. Em dezembro, período que historicamente mostra aumento nas demissões, a perda foi de 462.366 vagas, 22,4% menor do que no mesmo período de 2015, “outro dado que mostra o arrefecimento na crise do emprego”.

Contudo, 2016 ainda apresentou resultados negativos em todos os setores. Em números relativos, o setor que menos sofreu nos últimos 12 meses foi o da Agricultura, com um fechamento de apenas 0,84% das vagas, seguido pela Administração Pública, que teve percentual negativo de 0,97%. O Comércio e os Serviços tiveram perdas de 2,22% e 2,28% respectivamente.

Já o setor que mais sofreu foi o da Construção Civil, que fechou 13,48% dos postos formais, seguido pelo Extrativo Mineral (-5,67%) e a Indústria da Transformação (-4,23%).

Com relação ao salário, o Caged apontou que na média de admissão em 2016, esse ganho do trabalhador caiu 1,09% ante 2015, passando de R$ 1.389,19 para R$ 1.374,12.

Regiões

Entre as 27 unidades da federação, os estado de Roraima se destacou com resultado positivo na criação de empregos formais no ano passado. O estoque de vagas passou de 51.662 em dezembro de 2015 para 51.746 em dezembro de 2016 – uma alta de 0,16%. Mato Grosso do Sul, Goiás, Santa Catarina e Rio Grande do Sul também foram os que menos sofreram com a crise em 2016.

Fonte: DCI

Ministério do Trabalho aperta cerco contra fraudes em benefícios sociais

O Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) está apertando o cerco contra as fraudes no pagamento de benefícios sociais por meio de parcerias com outros órgãos. A mais recente delas foi feita com o Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário (MDSA).

Na última quinta-feira, os ministros das duas pastas, Ronaldo Nogueira (Trabalho) e Osmar Terra (Desenvolvimento Social e Agrário), fizeram um acordo para trocar informações entre os seus bancos de dados.

Por meio dessa iniciativa, os ministérios poderão identificar casos de pagamentos indevidos de benefícios e suspender aqueles originados por meio de fraude. “Nosso objetivo é fazer uma melhor gestão dos recursos públicos e garantir que as pessoas que necessitam de assistência do Estado não sejam prejudicadas por aqueles que fraudam os cofres públicos”, declarou o ministro Ronaldo Nogueira, em uma nota oficial da pasta.

De acordo com o MTE, o gasto anual do governo federal com o benefício do seguro-desemprego, por exemplo, é de R$ 35 bilhões, sendo que até R$ 700 milhões destes poderiam ser economizados com a suspensão de pagamentos indevidos.

O vice-presidente de Fiscalização, Ética e Disciplina do Conselho Federal de Contabilidade (CFC), Luiz Fernando Nóbrega, comenta que as parcerias entre os mais diversos órgãos e ministérios têm sido uma forma do governo federal aprimorar a sua fiscalização nos últimos anos. O próprio MTE já tem um acordo de cooperação com a Caixa Econômica Federal, por exemplo, para a troca de informações.

Novos acordos

Em nota, o MTE afirmou que novas parcerias devem ser firmadas nos próximos meses visando o combate a fraudes. O DCI procurou o órgão para obter mais informações, porém a pasta disse que não dará detalhes sobre as novas parcerias, por enquanto.

Nóbrega, do CFC, considera que a atuação conjunta entre os órgãos é importante para que a União evite despesas desnecessárias, melhorando, desta forma, a gestão das suas receitas e despesas.

Porém, ele avalia que o governo federal deve ter mais celeridade no momento de analisar recursos de pessoas que questionam na justiça o cancelamento de seus benefícios.

Ele conta, por exemplo, que acompanhou o caso de uma pessoa que recebia seguro-desemprego, mas que, ao não conseguir se recolocar no mercado de trabalho, decidiu abrir uma empresa. “No momento em que esta pessoa abriu um CNPJ [Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas], o ministério cancelou automaticamente o seu do seguro-desemprego, sem mesmo ela ter passado a auferir alguma renda com a sua empresa”, relata Nóbrega.

“Esta pessoa entrou com recurso. Contudo, este demorou quatro meses para ser analisado. A meu ver, portanto, falta celeridade ao governo no momento de verificar casos como este. Isto é importante para que não ocorram injustiças.”

O especialista do CFC ressalta, por outro lado, que este caso demonstra o alcance da troca de informações entre os órgãos públicos. “Estamos falando de uma fiscalização que foi bem sucedida por meio de um cruzamento de dados entre Junta Comercial e MTE”, diz Luiz Fernando Nóbrega.

O sócio do setor trabalhista do escritório Siqueira Castro Advogados, Rafael Ferraresi, comenta que situações de injustiça no cancelamento de benefícios sociais se tratam, geralmente, de casos isolados e que o maior imbróglio dos programas estatais é fraudes. “Essas ocorrências de injustiça não são um problema generalizado, mas, sim, isolados. Na verdade, o que aconteceu nos últimos anos foi um aumento expressivo das fraudes. Somente nos anos de 2014 e de 2015, o governo identificou mais de R$ 2,5 bilhões de fraudes no âmbito do Bolsa Família”, ressalta Ferraresi.

“Em um país que precisa colocar as suas contas em dia, é extremamente necessário que as fraudes sejam investigadas”, complementa o advogado.

A mais recente parceria da pasta do Trabalho vai permitir ao órgão ter acesso à base de dados do Cadastro Único (Cadúnico), que é gerido pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário. O Cadúnico é responsável pela seleção de pessoas beneficiadas pelos programas sociais do governo.

O sistema foi criado em 2011 para identificar as famílias brasileiras em situação de vulnerabilidade, com renda entre meio e três salários mínimos. Para receber o Bolsa Família, por exemplo, é preciso fazer parte do Cadúnico. O cadastramento no sistema é feito pelas prefeituras. Atualmente, há cerca de 80 milhões de pessoas registradas no Cadúnico.

Ainda na última quinta, o MTE liberou o lote de pagamento do seguro-desemprego com os novos valores que levam em conta o salário mínimo desde o dia 1º de janeiro.

DCI

Empregos na crise oferecem renda menor e sem proteção

Para conseguir um emprego hoje no Brasil, em geral é preciso ter menos de 24 anos de idade, aceitar ganhar menos e se conformar com um regime de trabalho frágil, sem a proteção oferecida por vagas que têm carteira assinada.

Análise feita pela Folha em estatísticas do Ministério do Trabalho mostra que os contratados com carteira assinada estão recebendo, em média, 21% menos do que os demitidos da mesma ocupação.

Essa desvantagem também foi observada em anos anteriores, mas a diferença atual é o dobro da verificada nos anos dourados do mercado de trabalho no início da década, quando a taxa de desemprego despencou e a economia brasileira gerava milhões de empregos por ano.

As novas vagas, segundo as estatísticas do IBGE, estão predominantemente no mercado informal, sem carteira de trabalho assinada. No mercado formal, conforme os registros do Ministério do Trabalho, as contratações só superam as demissões entre trabalhadores com até 24 anos.

A retração da atividade, que abateu a economia em meados de 2014, começou a pesar no mercado de trabalho em 2015, quando 1,5 milhão de vagas com carteira assinada foram destruídas. O prolongamento da recessão, no ano passado, abateu mais 1,3 milhão de empregos.

Isso afetou a remuneração oferecida aos que conseguem trabalho. “Quando o mercado está bombando, aumenta a disputa pelos melhores trabalhadores, e as pessoas saem de seus empregos para ganhar mais. Hoje, se uma pessoa é demitida ganhando R$ 1.000, fica feliz da vida em conseguir uma vaga por R$ 800”, afirma Hélio Zylberztajn, professor da USP e coordenador do Salariômetro, da Fipe (Fundação Instituto de Pesquisa Econômica).

Em 2013, antes de o país mergulhar na atual recessão, quase metade das 2.465 ocupações monitoradas pelo Ministério do Trabalho geraram postos de trabalho. No ano passado, foi verificada criação de vagas em um quinto das 2.497 ocupações analisadas.

SOBRANDO GENTE

Mas o achatamento salarial atingiu até as que geraram empregos. Entre as 30 ocupações que mais criaram vagas em 2016, quem foi contratado recebeu em média 4,5% menos do que os trabalhadores demitidos. Para operadores de telemarketing, por exemplo, a diferença chegou a 12%.

“Estamos vivendo o oposto do que aconteceu lá atrás, quando as empresas tinham que contratar até pessoas que não tinham qualificação adequada. Agora está sobrando gente”, afirma Zylberztajn.

O cenário revelado pelos números foi encontrado pela analista de recursos humanos Ceciliana Gomes de Andrade, 29, na sua busca por trabalho. Mesmo com formação superior, ela não conseguiu mais do que bicos de garçonete desde que ficou desempregada, há oito meses.

“O piso de um assistente de recursos humanos é R$ 1.200, mas estou fazendo entrevistas para operadora de telemarketing, que paga de R$ 880 a R$ 917”, diz. “Nem isso estou conseguindo”.

Andrade conta que, à medida que as vagas se escassearam, os empregadores aumentaram as exigências. “Querem contratar o melhor dos melhores candidatos pagando menos”, explica. “No meu caso, exigem experiência, e não trabalho com telemarketing desde 2009, quando entrei na faculdade e consegui um emprego melhor.”

O marido dela também perdeu o emprego que tinha registrado na carteira. Trabalhava como chapeiro numa padaria e agora faz bico para um restaurante popular, tentando atrair clientes nas ruas.

Fonte: Folha

Mesmo endividado, trabalhador vai sacar FGTS para investir, diz pesquisa

O saque de contas inativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) será liberado a partir de março. Porém, o dinheiro que antes estava fora dos planos agora já tem destino certo para uma parcela dos brasileiros.

O governo espera que os R$ 30 bilhões aos quais terão acesso 10,1 milhões de trabalhadores sejam usados principalmente para pagar dívidas. No entanto, parte desse público pretende investir o dinheiro, mesmo com as contas no vermelho.
Foi o que mostrou uma pesquisa do aplicativo de controle financeiro Guiabolso.

Das 1,4 mil pessoas consultadas, 44,8% investiriam o valor sacado e 33,6% colocariam o orçamento em dia. Mesmo entre os endividados, aplicar o dinheiro foi a resposta de 43,8% dos participantes, contra 37% que vão priorizar o pagamento desses débitos.

A estudante Vanessa Garcia, 27 anos, vai usar o valor a ser resgatado para cobrir o saldo negativo da conta bancária – ela teve de recorrer ao crédito pré-aprovado após perder o emprego. No entanto, ela diz que também pretende poupar para terminar os estudos. “Assim que voltar a trabalhar, devo investir no Tesouro Direto”, diz.

“Criar uma reserva financeira é importante, e as pessoas estão cada vez mais conscientes disso”, diz o presidente do Guiabolso, Thiago Alvarez. Mas ele alerta que não faz sentido investir quando se tem dívidas caras.

Alvarez aconselha a quitar o que está pendente e evitar novos endividamentos do tipo “bola de neve”. “Pela conveniência, as pessoas acabam entrando no cheque especial ou no rotativo do cartão e só depois percebem que essas modalidades são caras”, diz.

Em dezembro, os juros do cheque especial chegaram a 12,58% ao mês, em média. Já os do rotativo do cartão de crédito ficaram em 15,33%. Os dados são de um estudo da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac).

O educador financeiro Rafael Seabra lembra que dificilmente uma aplicação financeira renderia o suficiente para superar os juros. “Mesmo no Tesouro Direto, em que é possível ter rentabilidade em torno de 1% ao mês, não compensaria”, diz.
A exceção se dá no caso dos financiamentos imobiliários. Caso a taxa de juros cobrada seja inferior a 1% ao mês, é possível aplicar recursos para resgatar no futuro uma quantia superior ao necessário para quitar o restante do financiamento.

Quanto aos investimentos, mesmo modalidades mais conservadoras, como a poupança, remuneram a taxas mais altas. Em cálculos feitos para o Estado com aplicações de curto prazo (um ano), o professor Alexandre Cabral, do Laboratório de Finanças da Fundação Instituto de Administração (FIA), mostra que o FGTS perde das principais aplicações de renda fixa (veja no gráfico ao lado).

A Letra de Crédito Imobiliário (LCI) lidera e consegue rentabilidade de 11,05% ao ano, contra 4,24% do FGTS. O Certificado de Depósito Bancário (CDB) é o segundo colocado, com retorno de 9,12%, e o Tesouro Direto Selic, o terceiro, com 8,77%.
Estrategista da Guide Investimentos, Luis Gustavo Pereira recomenda títulos públicos pré-fixados e indexados à inflação.

Com folga financeira, o economista Carlos Miranda, 26 anos, pretende usar parte do saldo do FGTS para viajar nas férias. Com o dinheiro, ele poderá escolher um destino que inicialmente não caberia no bolso e poderá estender a estadia. A outra parte dos recursos será aplicada em CDB e Tesouro.

Para quem precisa dos recursos do FGTS com urgência, é possível antecipar o recebimento com bancos, porém é preciso fazer conta para evitar um mau negócio.

Na semana passada, o Santander anunciou a criação de uma linha de crédito que antecipa o equivalente ao que poderá ser sacado do FGTS. As taxas vão de 2,59% a 4,59% ao mês. “O valor integral é depositado na conta do cliente 24 horas após a contratação. A liquidação é feita em uma única parcela, descontada no mês do aniversário do cliente”, diz o superintendente do banco, Geraldo Rodrigues.

Bradesco e Banco do Brasil estão avaliando a criação de uma linha semelhante. O Itaú diz que já oferece diversas modalidades de crédito pré-aprovado. A Caixa Econômica não se pronunciou.

Fonte: O Estado SP

 

Redação On janeiro - 23 - 2017
  • Central de atendimento
  • Telefone: (11) 3285-3522 / e-mail: sicetel@sicetel.com.br
Associe-se!
        Clique aqui
Cadastre seu e-mail e receba periodicamente notícias do SICETEL.