Sindicato Nacional da Indústria de
Trefilação e Laminação de Metais Ferrosos

Filiado a FIESP

Sbado, 23 de Setembro de 2017






Associe-se!
Clique aqui e conheça as vantagens

BC deve aguardar novos índices de inflação para reduzir a Selic
O Banco Central (BC) terá uma tarefa árdua para decidir quando a taxa básica de juros (Selic) – hoje em 14,25% – será reduzida. De acordo com especialistas, a autoridade monetária deve esperar os próximos indicadores de inflação para tomar a decisão.

Segundo levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgado ontem, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) variou 0,40% em junho, menos da metade da taxa de maio (0,86%). Esse é o menor IPCA-15 registrado para os meses de junho desde 2013, quando ficou em 0,38%.

O IPCA-15 acumulado por trimestre, ficou em 1,78% no segundo, abaixo da taxa de 2,68% registrada em igual período de 2015. Com isso, no primeiro semestre, está em 4,62%, bem abaixo dos 6,28% registrados nos primeiros seis meses do ano anterior.

Considerando os últimos 12 meses, o índice desceu para 8,98%, enquanto estava em 9,62% no período encerrado em maio. Em junho de 2015, a taxa havia sido 0,99%.

Ainda segundo o IBGE, entre os grupos analisados, os que mais contribuíram para essa desaceleração do IPCA-15 de maio para junho foram: Saúde e Cuidados Pessoais (1,03%), Alimentação e Bebidas (0,35%) e Transportes (-0,69%).

Em contrapartida, outros grupos registraram alta, como Habitação com 1,13% – resultado mais elevado com destaque para a taxa de água e esgoto que registrou +4,50% – Despesas Pessoais com registro de 0,89% e o grupo de Artigos de Residência (0,57%).

Tendência Selic

De acordo com Miguel de Oliveira, diretor executivo de estudos e pesquisas econômicas da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), apesar do IPCA-15 ter vindo com avanço abaixo das expectativas, a taxa básica de juros (Selic) deve ser mantida na próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), que acontecerá nos dias 19 e 20 de julho, sob o comando, agora, do economista Ilan Goldfajn.

Ainda segundo Miguel de Oliveira, pode haver divisões na votação pela redução ou não da taxa Selic na reunião do final de agosto quando já terão sido anunciados novos dados sobre a perspectiva da inflação para 2016, com a divulgação do IPCA “cheio” dos meses de junho, julho e agosto, pelo IBGE. O especialista acredita que pode até ocorrer uma pequena redução de 0,25 ponto percentual da Selic nesta reunião, mas isso apenas se a inflação continuar caindo.

DCI – 22/06/2016

Redação On junho - 22 - 2016
  • Central de atendimento
  • Telefone: (11) 3285-3522 / e-mail: sicetel@sicetel.com.br
Associe-se!
        Clique aqui
Cadastre seu e-mail e receba periodicamente notícias do SICETEL.