Sindicato Nacional da Indústria de
Trefilação e Laminação de Metais Ferrosos

Filiado a FIESP

Tera-feira, 26 de Setembro de 2017






Associe-se!
Clique aqui e conheça as vantagens

Dona da Arno anuncia fechamento de fábrica na capital paulista

O Groupe SEB, dono da marca Arno, anunciou nesta segunda-feira (11) o fechamento de sua fábrica de eletroportáteis (ventiladores, aspiradores de pó, liquidificadores, entre outros) no bairro da Mooca, na capital paulista.

A produção, de acordo com a empresa, será transferida para uma nova fábrica em Itatiaia, no sul do Rio de Janeiro. A mudança deve acontecer aos poucos, com início previsto para novembro deste ano e término em outubro de 2017.

Os funcionários da capital paulista já foram avisados da decisão, segundo a empresa. O grupo não informou quantos serão demitidos.

Em nota, a empresa informou que “lamenta o fechamento da fábrica da Mooca, que faz parte da história da companhia há 70 anos”. No entanto, afirmou que se tornou inviável “manter uma fábrica na região central de São Paulo, que tem perfil urbano e apresenta dificuldades operacionais e de logística”.

Mudança é estratégica, diz empresa

A mudança para Itatiaia faz parte de uma estratégia de crescimento do negócio de eletroportáteis, de acordo com a empresa.

A sede da empresa e as demais áreas de suporte, como pesquisa e desenvolvimento, compras, marketing, comercial e financeira, permanecem em São Paulo. As fábricas de São Bernardo do Campo, no ABC paulista, e de Jaboatão dos Guararapes (PE) continuam a operar normalmente.

O Grupo SEB, que também é dono das marcas Clock, Krups, Lagostina, Panex, Rochedo e T-Fal, afirmou ainda que não haverá qualquer impacto para os clientes e consumidores das marcas do grupo.

Valor Econômico – 11/04/2016

continue lendo:

Lucro da Alcoa cai 92% no primeiro trimestre

SÃO PAULO  –  O lucro da fabricante americana de produtos de alumínio Alcoa registrou uma queda de 91,8% no primeiro trimestre de 2016, passando de US$ 195 milhões  – em igual período do ano passado – para US$ 16 milhões. Na mesma base de comparação, a receita caiu 15%, para US$ 4,9 bilhões.

De acordo com comunicado da empresa, a última linha do balanço inclui perdas não recorrentes de US$ 92 milhões referentes ao processo de reestruturação. Desconsiderados esses fatores, a Alcoa teria registrado um lucro líquido de US$ 108 milhões.

A companhia passa por um processo de remodelação no qual se separa em cinco segmentos de produção: bauxita, alumina, alumio, produtos fundidos e energia.

A Alcoa afirma também que seu resultado foi afetado pela queda nos preços de alumínio, pelos impactos do câmbio e por vendas, reduções ou fechamento de operações da companhia. O índice de Preço de Alúminio (API, na sigla em inglês) registrou uma desvalorização de 40% no período.

A companhia também informou que, como estratégia de controle de custos, reduziu sua força de trabalho em 600 vagas no primeiro trimestre e pretende demitir mais 400 funcionários. Além disso, a Alcoa estuda eliminar até 1 mil vagas adicionais.

Paula Selmi | Valor Econômico – 12/04/2016

Redação On abril - 12 - 2016
  • Central de atendimento
  • Telefone: (11) 3285-3522 / e-mail: sicetel@sicetel.com.br
Associe-se!
        Clique aqui
Cadastre seu e-mail e receba periodicamente notícias do SICETEL.