O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e Mogi das Cruzes, e da CNTM, Miguel Torres, participou, ontem, dia 4, das assembleias com os trabalhadores dos turnos da manhã e da tarde na Arno (Mooca), e falou da luta do Sindicato pela manutenção dos empregos e dos direitos trabalhistas.  A Arno, com cerca de dois mil funcionários, informou que vai transferir sua produção para o Rio de Janeiro.

A Fame também anunciou que vai sair de São Paulo. Na semana passada, Miguel Torres também participou de assembleia com os trabalhadores da empresa do bairro do Belém, que tem cerca de dois mil funcionários.

“O Sindicato fará de tudo para buscar alternativas a fim de garantir a permanência das empresas em São Paulo. Vamos procurar o governador e o prefeito para evitar o fechamento de tantos postos de trabalho. São mais de quatro mil famílias que vão sofrer com estas mudanças”, afirma o sindicalista.

Propostas contra a crise

Miguel Torres, que também é vice–presidente da Força Sindical, persiste na luta pela implantação de medidas que garantam a retomada do desenvolvimento econômico com valorização dos setores produtivos, geração de empregos e renda e garantia dos direitos trabalhistas. Duas propostas defendidas são o Programa de Renovação da Frota de Veículos e o documento “Compromisso pelo Desenvolvimento”, feito em parceria com empresários que têm compromisso com a produção, e já foram encaminhados aos governos federal e estadual.

“A renovação da frota tem potencial para incentivar as vendas e a produção, além de criar milhões de empregos no País, tanto no setor automotivo quanto em outros segmentos industriais e do comércio”, explica Miguel Torres.

Este programa já foi utilizado com sucesso em outros países e poderá contribuir no enfrentamento da estagnação econômica, fortalecer a indústria, reduzir gastos de energia usada para produção de metal, beneficiar a mobilidade urbana, reduzir acidentes e a emissão de poluentes.

FSindical – 05/04/2016

continue lendo: