Sindicato Nacional da Indústria de
Trefilação e Laminação de Metais Ferrosos

Filiado a FIESP

Tera-feira, 19 de Setembro de 2017






Associe-se!
Clique aqui e conheça as vantagens

Massa salarial recua 11,2%, pior resultado desde junho de 2011

Os efeitos negativos da recessão sobre o mercado de trabalho, que se manifestam nos indicadores desde meados do ano passado, se intensificaram em 2016 e estão prejudicando o desempenho não apenas emprego, mas também da renda.

Depois de recuar 2,7% em janeiro, na comparação com o mesmo período de 2015, a ocupação caiu para 3,6% no mês passado nas seis principais regiões metropolitanas do país, conforme a Pesquisa Mensal de Emprego, uma perda de 842 mil postos de trabalho. O rendimento médio real, por sua vez, encolheu 7,5%, no mesmo confronto, após recuo de 7,4% em janeiro.

Essa combinação levou a massa salarial a recuar 11,2% no mês passado, um dos piores resultados da série histórica da PME. Somando R$ 50,8 bilhões na série do IBGE corrigida pela inflação, a massa de rendimentos – que representa uma fatia importante do volume de recursos disponível para o consumo nas regiões – recuou ao nível de junho de 2011, quando chegou a R$ 50,9 bilhões. A taxa de desemprego, por sua vez, passou de 7,6% em janeiro para 8,2% em fevereiro.

A contração forte da renda levou a LCA Consultores a revisar a projeção de queda do indicador para o ano de 2,5% para 2,8%. As estimativas, diz o economista Fabio Romão, servem apenas para balizar as expectativas, já que a PME será substituída pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua. O desempenho só não será pior, segundo ele, porque a inflação, que já dá sinais claros de desaceleração, deve aliviar as perdas dos salários em termos reais, fechando o ano em 7,4%.

“A tendência para este ano continua sendo de queda, já que a crise diminui o poder de barganha dos sindicatos”, afirma Patricia Krause, da Coface, seguradora de crédito francesa. Nesse cenário, diz ela, os níveis de inadimplência, que já sofreram alta importante em 2015, devem seguir elevados neste ano. E não apenas entre os consumidores – no ano passado, o número de sinistros pagos pela Coface, que segura os recebíveis das empresas, cresceu 200%, diz Patricia.

As perdas na renda, avalia a economista, devem se traduzir mais à frente em alívio maior dos preços, especialmente os de serviços, e abrir espaço para que o BC possa cortar juros, o que a economista estima que aconteça no início de 2017.

Romão, da LCA, chama atenção para o volume expressivo de vagas perdidas no comércio, queda de 3,2% sobre fevereiro de 2015, e nos serviços, 2,7%, conforme a série elaborada pela consultoria e que agrega as diferentes atividades que compõem o setor na PME. O desempenho reforça o cenário mostrado pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) de fevereiro, ressalta, que também apontou uma desaceleração maior dos dois setores, ambos bastante ligados à dinâmica da renda das famílias.

Nesse sentido, Romão ressalta a terceira retração consecutiva no nível de emprego nos serviços domésticos, de 4,5% no confronto com fevereiro do ano passado. “Entre 2011 e 2013, a queda observada nesse segmento veio de uma decisão dos empregados, que viram oportunidades com carteira assinada em outros setores”, afirma. Agora, diante do aumento do custo desse tipo de serviço, bastante indexado ao salário mínimo, e do nível baixo de confiança do consumidor, avalia, as quedas consecutivas indicam uma iniciativa dos empregadores.

Adriana Beringuy, pesquisadora do IBGE, chama atenção para a contração forte do nível de emprego da indústria, 9,8% em relação a fevereiro de 2015. O desempenho, avalia, explica em parte a redução expressiva do número de vagas com carteira assinada no período, 4,1%. A participação da indústria no total da ocupação, que chegou a 17,5% no início da série da PME, em março de 2002, encerrou fevereiro em 14,1%. Para Adriana, o desempenho negativo do comércio deveu-se em parte à sazonalidade -desligamentos dos temporários admitidos no fim de 2015.

Os economistas Jankiel Santos e Flávio Serrano, do Banco Haitong, observam que o desemprego só não tem atingido níveis mais altos nos últimos meses porque a procura por trabalho não tem crescido de forma significativa na PME.

Em fevereiro, a população economicamente ativa (PEA) encolheu 1,1%, depois de recuar 0,1% em janeiro, sempre na comparação com o mesmo período do ano anterior. Caso a taxa de participação, que chegou a 54,2% da população em idade ativa (PIA), tivesse se mantido na média histórica, eles calculam, de 56,8%, a taxa já teria passado de dois dígitos.

Valor Econômico – 24/03/2016

continue lendo:

Reajustes salariais perdem para a inflação pelo 4º mês seguido

O reajustes salariais que entraram em vigor em fevereiro mais uma vez não acompanharam a alta de preços da economia. Em média, os ajustes ficaram 0,8% abaixo da inflação acumulada em 12 meses. Segundo o levantamento do projeto Salariômetro, da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), o reajuste mediano foi de 10,5%, enquanto o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) acelerou para 11,3%.

Em um ano, aumentou significativamente o número de trabalhadores que estão com perda real nos salários. Em fevereiro de 2016, 63,9% das negociações resultaram em ajustes salariais abaixo do INPC. No mesmo mês em 2015, a taxa era de 18,8%.

O aumento do desemprego tem feito com que o trabalhador perca poder de negociação de salário, uma vez que há mais gente na praça na procura por uma vaga. Somente em fevereiro, foram fechadas 104,5 vagas. Para os próximos meses, o mercado segue pessimista: a projeção é de até 1,5 milhão de empregos a menos em 2016.

A pesquisa da Fipe revela que dos 154 acordos coletivos que trataram de ajustes salariais, 19 estabeleceram redução de jornada acompanhada de redução de salários, e destes, 10 utilizaram o PPE (Programa de Proteção ao Emprego). Já a mediana do piso salarial ficou em R$ 931 em fevereiro.

O Estado de S.Paulo – 24/03/2016

continue lendo:

Taxa mais alta desde 2009

A taxa de desemprego nas seis maiores regiões metropolitanas do país atingiu 8,2%, em fevereiro, a mais alta para o mês desde 2009, quando foi de 8,8%, segundo dados da Pesquisa Mensal do Emprego (PME), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O índice cresceu 2,4 pontos percentuais em relação a fevereiro de 2015 (5,8%). Esse foi o maior aumento em um ano da série histórica — iniciada em 2002 —, segundo a técnica de Trabalho e Rendimento do IBGE Adriana Beringuy. Em janeiro, a taxa ficou 0,6 ponto percentual mais baixa, em 7,6%.

A piora já era esperada por especialistas, devido à persistente crise econômica e política no país, mas a velocidade que isso tem ocorrido é o que preocupa. “Assusta o ritmo de deterioração da economia. A PME, que apontou média de 6,8%, em 2014, 8,5%, em todo 2015, já está em 8,2%, em fevereiro. Assim, deve fechar 2016 entre 12% e 12,2%, ou seja, praticamente vai dobrar em dois anos”, explicou o economista-chefe da INVX Global Partners, Eduardo Velho. Em março, segundo ele, com a Pnad Contínua (substituta da PME), que é mais completa, o desemprego não deve ficar em menos de 9%.

Os setores de comércio e de serviços estão entre os mais prejudicados. Em fevereiro, a taxa de desocupação no varejo atingiu 3,9% ante a do mês anterior — a maior queda desde janeiro de 2004 — e a de serviços, 4%. Na comparação anual, no entanto, sofreram mais a indústria (-9,8%) e outros serviços (-3,6%). “Com o prolongamento da crise, o setor de serviços, que ainda não chegou ao fundo do poço, vai fazer ajustes e continuar impulsionando a queda do emprego”, assinalou Velho.

Por região

O desemprego, segundo o IBGE, subiu mais na região metropolitana de São Paulo (de 8,1% para 9,3%) e ficou estável nas demais regiões, na comparação com janeiro de 2016. Em relação a fevereiro de 2015, o baque se deu em todas as regiões. Em Recife, foi de 7% para 10,4%; em São Paulo, de 6,1% para 9,3%; em Belo Horizonte, de 4,9% para 7,2%; em Salvador, de 10,8% para 12,6%; em Porto Alegre, de 4,7% para 6,4%; e no Rio de Janeiro, de 4,2% para 5,2%.

O poder de compra dos brasileiros também registrou queda. O rendimento médio real habitual foi estimado em R$ 2.227,50, em fevereiro, resultado 7,5% menor que o de fevereiro de 2015 (R$ 2.407,53) e 1,5% inferior ao estimado em janeiro desse ano (R$ 2.262,51).

Correio Braziliense – 24/03/2016

Redação On março - 24 - 2016
  • Central de atendimento
  • Telefone: (11) 3285-3522 / e-mail: sicetel@sicetel.com.br
Associe-se!
        Clique aqui
Cadastre seu e-mail e receba periodicamente notícias do SICETEL.