Sindicato Nacional da Indústria de
Trefilação e Laminação de Metais Ferrosos

Filiado a FIESP

Sbado, 25 de Novembro de 2017






Associe-se!
Clique aqui e conheça as vantagens

Contribuintes mantêm índice de vitórias no Carf

Os contribuintes conseguiram manter o índice de vitórias no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf), de acordo com estudo da Associação Brasileira de Jurimetria (ABJ), realizado a pedido do Valor. Porém, após a reabertura do órgão, de acordo com advogados, perderam as causas mais importantes julgadas no início deste ano pela Câmara Superior – última instância do órgão.

Em dezembro e janeiro, após a retomada dos julgamentos, os contribuintes venceram 23,3% dos 1.066 casos analisados. No mesmo período anterior, o índice alcançado foi de 19%. O Carf passou quase todo o ano de 2015 sem realizar julgamentos, reflexo da Operação Zelotes, deflagrada em março.

O órgão voltou a realizar sessões em dezembro, em uma semana de julgamentos, já com a nova composição de conselheiros. A porcentagem de decisões favoráveis aos contribuintes ou à Fazenda pouco variou. As vitórias da Fazenda passaram de 32,8% do total dos julgados para 31,7%. As decisões parcialmente favoráveis, enviadas para diligência ou anuladas também não tiveram alterações significativas.

“Do ponto de vista estatístico não houve alteração relevante do antigo Carf para o atual. O que acho muito bom, pois todo mundo tinha expectativa diferente”, afirma o advogado Pedro Miranda Roquim, responsável pela pesquisa. Na Câmara Superior também foi mantido o equilíbrio. A análise de dados feita pela associação não faz distinção de tributo ou valor em discussão.

Os números, porém, não expressam a impressão dos advogados que atuam no Conselho. Para Cristiane Romano, sócia da área tributária do Machado Meyer Advogados, a percepção geral é que o contribuinte está perdendo mais em matérias relevantes e na Câmara Superior, que julga os leading cases que serão seguidos pelas turmas. “Nos casos importantes, temos a sensação de julgamentos contrários, inclusive com revisão de posicionamento”, diz Cristiane.

O advogado Marco Antônio Behrndt, sócio do mesmo escritório, lamenta que alguns assuntos foram debatidos durante anos e julgados agora, com a reabertura. “Com nova composição e novos conselheiros, tivemos decisões contrárias”, diz.

No começo do ano, os contribuintes perderam disputas que consideravam importantes, como a amortização de ágio de privatizações e a possibilidade de acumular valores referentes a juros sobre capital próprio (JCP) – uma forma de remuneração a sócios em substituição aos dividendos – para abater posteriormente os valores de Imposto de Renda e CSLL.

Para Giancarlo Matarazzo, sócio do Pinheiro Neto Advogados, as câmaras baixas ainda estão realizando julgamentos bastante técnicos, enquanto a Câmara Superior tem sido um pouco mais restritiva, especialmente em relação à tese de ágio ou de outras formas de estruturações tributárias. “A sensação de todos é que o Fisco está obtendo vitórias mais importantes”, afirma. Porém, acrescenta, esse sentimento já era verificado antes do fechamento do Carf. Mas espera-se um retorno do equilíbrio no órgão.

O voto de qualidade – desempate pelo presidente da sessão – é outro ponto que desagrada advogados na Câmara Superior. Levantamento realizado pelo advogado Leandro Bettini, do escritório Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr e Quiroga Advogados, mostra que, de 23 processos julgados por voto de qualidade na Câmara Superior até janeiro, 21 foram a favor da Fazenda Nacional. “Por ora, com a alteração do quadro de conselheiros, o Carf está sendo mais conservador e, na dúvida, julgando pró-fisco”, afirma.

Para a advogada Mary Elbe Queiroz, do escritório Queiroz Advogados Associados, é necessário refletir sobre o peso que o voto de qualidade tem. “O auto de infração já é feito pela Fazenda e voto de qualidade também”.

Os números apresentados pela Associação Brasileira de Jurimetria são semelhantes a cálculo realizado pela própria Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) com dados de dezembro. A quantidade de processos acima de R$ 10 milhões julgados passou de 67, no último mês de 2014, para 118. Do total, os resultados favoráveis à Fazenda Nacional passaram de 37,31% para 33,90%. Os desfavoráveis pouco mudaram, de 26,87% para 28,81% – o restante foram favoráveis em parte.

O procurador Moisés de Sousa Carvalho Pereira, coordenador do Contencioso Administrativo Tributário (Cocat) da PGFN, afirma que não há mudança significativa. “Alguns casos chamam a atenção dos advogados, o que não quer dizer que a postura do Carf é manter todas as autuações”, diz.

O procurador defende que nas teses relevantes as vitórias não foram todas por voto de qualidade. Além disso, em alguns assuntos que foram julgados pela primeira vez na Câmara Superior, as decisões nas turmas já eram desfavoráveis.

Por meio de nota, o Carf explica que os processos incluídos em pauta no mês de dezembro de 2015 estavam represados aguardando o retorno das sessões e eram relatados por conselheiros que já integravam os colegiados antes da paralisação – ou seja, em maior parte, eram conselheiros representantes da Fazenda. Na visão do Conselho, “os novos conselheiros votaram com conhecimento técnico das matérias e da jurisprudência estabelecida, além da formação profissional.”

Ao mesmo tempo, o Carf considera natural que “ocorram oscilações na jurisprudência” à medida que os novos conselheiros, representantes da Fazenda e dos contribuintes, passem a relatar e, também, com a nova sistemática de sorteio e julgamento em lotes temáticos e a inclusão de novas matérias ainda não enfrentadas nos colegiados.

Valor Econômico -01/03/2016

continue lendo:

Novas alíquotas começam a vigorar hoje

Setores dizem que alteração da alíquota do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), para mais ou para menos, deve ser repassada ao consumidor

Artumira Dutra

A partir de hoje a alíquota do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) fica mais alta para dez produtos e cai para sete itens. No caso das bebidas alcoólicas, gasolina, fumo e cigarro e prestação de serviço de telecomunicação, dentre outros, o tributo passa de 25% para 28%. O presidente do presidente do Sindicato das Indústrias de Águas Minerais, Cervejas e Bebidas em Geral do Ceará (Sindbebidas), Cláudio Targino, diz que, considerando os 2% do Fundo Estadual de Combate à Pobreza (Fecop), no final vai pagar 30%.

“É um verdadeiro absurdo, estão desestimulando a produção”, completa, ressaltando que o pior é que o mercado não aceita. Explica que quando as tabelas são apresentadas nos supermercados, no comércio eles não aceitam e mandam voltar. “Não temos como repassar”, afirma, ponderando que a indústria não tem mais como segurar. Targino não descarta desabastecimento ou fechamento. No caso da empresa dele, a Colonial, conta que está diminuindo a produção, os custos e a tendência é sair do ramo.

Consumidor

A Oi informa que o aumento de ICMS, estipulado pelo poder público, é repassado para os clientes. A empresa acrescenta ainda que não tem nenhum lucro sobre o valor recolhido. Em nome das outras operadoras(Tim, Vivo e Claro), o Telebrasil/SindiTelebrasil reforçou que o ICMS incide diretamente sobre a conta e quem paga esse imposto é o consumidor.

Destaca ainda que os serviços de telecomunicações no Brasil estão entre os mais taxados e a carga tributária só vem aumentando. A maior parcela de tributos cobrada do consumidor nas contas de telefonia, banda larga e TV por assinatura é a do ICMS, recolhido pelos governos estaduais.Observa que além de cobrarem alíquotas similares às de bebidas, cigarro, armas e munições, dez estados decidiram aumentar ainda mais a cobrança de ICMS. Informa que a carga tributária média incidente sobre os serviços de telecomunicações é de 45%, uma das maiores do mundo, e quem paga integralmente é o consumidor.

Em relação à gasolina, O POVO apurou que com a alta da alíquota o preço vai subir entre R$ 0,08 e R$ 0,10. Sobre o aumento de 17% para 28% sobre as rodas esportivas para automóveis, o presidente do Sincopeças/Assopeças Ceará, Ranieri Leitão, disse que felizmente sobe apenas nesse item. Considera que para os que vendem esse produto o impacto é significativo e haverá perda de competitividade. Mas lembrou que mais de 40% dos automóveis saem das montadoras com esse item incluído.

O Sincopeças-CE também abrange o setor de autopeças, motopeças, acessórios e refrigeração e nesse ramo alguns itens tiveram o imposto reduzido. A alíquota sobre o capacete para ciclistas passou de 17% para 12%.

Fonte: O Povo

Redação On março - 1 - 2016
  • Central de atendimento
  • Telefone: (11) 3285-3522 / e-mail: sicetel@sicetel.com.br
Associe-se!
        Clique aqui
Cadastre seu e-mail e receba periodicamente notícias do SICETEL.